Blog

poradmin

Domésticas! Faça por app curso sobre Previdência Social e Direitos Trabalhistas

Calcule você mesma horas extras, entenda seus benefícios e faça denúncias

PEC das Domésticas (66/2013determina jornada de trabalho de oito horas diárias, com direito a horaextraAqueles com carteira assinada passaram a ter direitos como saláriomaternidade e auxíliodoença. Os trabalhadores domésticos também contam que aprendem não apenas os seus direitos, mas “de todos, os direitos humanos”.

Estudam sobre convenção coletiva, a maioria, nem sabe o que é isso. A convenção abrange todo mundo que trabalha naquela função, é dá voz para toda a classe, por isso, todos os trabalhadores domésticos devem se sindicalizar.

Durante o curso, que pode ser estudado no turno da noite, após chegar em casa depois de uma jornada de trabalho, ainda é possível imprimir o conteúdo das aulas e acompanhar os áudios e vídeos, tudo por Whatsapp.

Conheça a matéria na íntegra em https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/11/domesticas-fazem-por-app-curso-sobre-previdencia-social-e-direitos-trabalhistas.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwagift

poradmin

Novembro Azul

O Sindicato dos Empregados Domésticos do Estado do Paraná apoia a Campanha Novembro Azul.

A Campanha promove a conscientização sobre cuidados com a saúde masculina, principalmente, em relação à necessidade de exames preventivos para o câncer de próstata.

Se você tem mais de 50 anos, faça exames regularmente. 🌟

poradmin

A Relação de trabalho entre as mulheres e seus empregadores

A conquista pelos direitos da mulher foi o fruto de grandes manifestos sociais e lutas femininas que, devido a sua grande relevância, vêm alterando a visão da sociedade ao longo dos anos e garantindo sua inserção e condição de igualdade no mercado de trabalho.

Mesmo assim, as mulheres ainda sofrem com preconceito e discriminação no ambiente laboral. Para combater esse problema, empregadores e funcionárias devem conhecer os direitos da mulher.

A regulamentação do trabalho da mulher

Antigamente, a mão de obra feminina era amplamente explorada, sem critério algum. Com o passar dos anos e o aumento da sua inclusão no mercado de trabalho, os direitos da mulher foram estabelecidos na legislação brasileira.

Contudo, o princípio da igualdade entre homens e mulheres traz discussões e algumas controvérsias no meio jurídico, pois a própria constituição conta com normas voltadas exclusivamente para o trabalho feminino. Por isso, é importante conhecer as particularidades sobre o assunto para se manter bem informada.

Aí vão algumas prioridades femininas:

1. Estabilidade no emprego durante a gestação;

2.     Licença-maternidade (filho natural ou por adoção);

3.     Limite de carregamento de peso;

4.     Descanso para realização de horas extras;

5.     Idade para aposentadoria;

6.     Licença para aborto natural além da licença-maternidade;

7.     A igualdade salarial na CLT.

Quer saber mais? Entre em contato conosco. Será uma alegria atendê-la e esclarecer todas as suas dúvidas!

poradmin

Sede do Sindoméstico é no histórico Edifício ASA, que iniciou a construção em 1950

Não é a toa que o Sindoméstico escolheu o Edifício Asa como endereço de sua sede. Ponto de referência na capital do Paraná, o Edifício Asa, na Rua Voluntários da Pátria, 475, região central de Curitiba, ocupa diferentes papéis na vida de pessoas que possuem nele o lugar de realização profissional. Na carteira de trabalho do ascensorista Elandin Farias, 77 anos, o prédio protagonizou toda a trajetória profissional e para muitos outros profissionais liberais o edifício é uma verdadeira vitrine.

Elandin teve o primeiro contato com o edifício aos 15 anos, quando participou da obra de fundação do empreendimento da construtora Aranha S.A, cuja sigla ASA inspirou o nome do condomínio, um dos primeiros a oferecer espaços comerciais e residenciais na capital. Mais tarde, ele foi contratado como ascensorista e nunca mais saiu, mesmo agora, período em que se encontra devidamente aposentado.

Elandin ainda cumpre a jornada de toda uma vida, das 7h às 13h. “Hoje fico pouco na arapuca, somente nos horários das refeições das funcionárias. Revezo com a portaria”, explica. Arapuca é o apelido carinhoso com que ele trata o elevador.

O ascensorista afirma que nunca sentiu vertigem com o literal sobe e desce da função, muito menos ficou trancado. “É um serviço bom, com pessoas que sempre tratei com respeito e me retribuíram da mesma forma”, avalia.

Tendo a discrição como uma de suas principais características, ele não economiza elogios à qualidade do edifício. “Com todo esse tempo não tem uma rachadura. É uma obra muito sólida, não se encontra mais esse tipo de qualidade por aí”, avalia.

O edifício teve sua construção iniciada em 1950, mas a obra só foi finalizada em 1957, embora a ocupação do prédio tenha começado entre os anos de 1954 e 1955, quando estava parcialmente acabado. No total, são 413 unidades residenciais e comerciais, distribuídas em 22 andares. Segundo Elandin, na parte residencial, são apenas dois “conjuntos por andar”.

Escrito por Magaléa Mazziotti em 26/11/2014